SÍNDROME DE ALIENAÇÃO PARENTAL PODE LEVAR CRIANÇA À DEPRESSÃO


Especialistas tiram dúvidas sobre o problema e falam das consequências para os filhos

POR NATHALIE AYRES – PUBLICADO EM 18/04/2013

Um divórcio não é uma situação fácil para nenhuma família. Sempre há um pai que se ressente com a situação ou crianças que nem sempre entendem bem o que está acontecendo. Por mais que as separações tenham se tornado cada vez mais comuns – as taxas de divórcio subiram 45,6% de 2010 para 2011, de acordo com o IBGE – e os pequenos a cada dia consigam conviver bem com a ideia de ter duas casas, algumas vezes a situação pode trazer complicações para o bem-estar dos filhos, principalmente de acordo com a reação dos pais à situação. É o caso de um quadro chamado Síndrome da Alienação Parental.

“Essa alienação consiste em um processo em que um dos cônjuges prepara a criança para que ela não aceite mais o outro”, explica a psicanalista Priscila Gasparini, da Universidade de São Paulo (USP). Normalmente, um dos pais que não está satisfeito com o divórcio começa a “envenenar” a relação do filho com o outro genitor, falando mal de seu antigo parceiro, expondo de forma ruim o que aconteceu ou mesmo inventando mentiras.

É mais fácil que isso seja feito pelo pai que detém a guarda da criança, até porque ele paralelamente pode impedir que o ex-cônjuge tenha acesso ao filho, inclusive. Como as guardas ficam na maior parte das vezes com a mãe, 90% dos genitores alienantes são mulheres, de acordo com a psicanalista. “Mas só se caracteriza a síndrome quando a criança passa a acreditar no que está sendo dito e se volta contra seu pai ou sua mãe”, resume o pediatra Marcelo Reibscheid, médico do Hospital e Maternidade São Luiz e criador do portal Pediatria em Foco. Para evitar esse tipo de situação, há inclusive uma nova lei, sancionada pela presidenta Dilma Roussef em dezembro de 2014, que torna a guarda compartilhada uma regra no Brasil.

Muitas vezes, não é preciso que apenas um dos pais fale mal do outro: tios, avós e outras pessoas que sejam importantes para a criança e endossem esse comportamento podem agravar a situação e o afastamento. O problema é que além de desgastar a relação entre pai e filho, essas atitudes de um dos genitores podem causar problemas e sequelas para a criança. Para entender um pouco mais as dimensões da alienação parental, os especialistas nos esclareceram algumas dúvidas sobre o tema.

1-Como o pai excluído pode detectar a síndrome?

A primeira reação da criança que está sofrendo com a síndrome de alienação parental vai ser se afastar do outro genitor. “Ela não quer mais ver o pai, fica receosa em cruzar com ele ou ela, se afasta e não cria vínculos, não se sente mais a vontade na presença daquela pessoa, pois é passado para ela que seu pai é alguém malvado”, descreve o pediatra Marcelo Reibscheid, do Hospital e Maternidade São Luiz. Conforme o pai for percebendo o afastamento, ele pode então pensar em que atitude tomar quanto a isso.

2-O que fazer para parar com o processo?

Em primeiro lugar, deve-se conversar com seu ex-cônjuge para tentar entender melhor o que está acontecendo e o que o motiva a ter esse tipo de atitude, pedindo para que ele pare. Caso isso não dê resultado, existem providências legais que o pai excluído pode tomar. “Ele deve entrar em contato com um advogado, para evitar perder o vínculo judicialmente, e aproveitar esse tempo para conversar com a criança e trabalhar isso”, frisa a psicanalista Priscila Gasparini. Em muitos casos, se for dada a entrada em um processo alegando alienação parental e isso for confirmado por laudo de um psicólogo, o genitor alienante pode perder a guarda da criança, que será passada ao outro pai ou aos avós, caso a relação entre pai e filho esteja muito desgastada.

3-Como é possível se reaproximar do filho?

Em casos mais leves ou quando as mentiras estão bem no começo, o pai pode explicar seu lado para a criança. Quando o vínculo anterior entre eles era bem forte, o filho tende a sondar e até mesmo perguntar diretamente ao pai se a informação passada para ele é verdadeira. É importante também que ele reforce a aproximação, e existem diversas formas de fazer isso. “Pode-se buscar a criança para passear, participar da vida dela, fazerem juntos algum projeto da escola, por exemplo. Tudo isso é benéfico para a criança ver que ele se interessa pelo mundo dela”, lista a psicanalista Priscila.

Por outro lado, algumas atitudes do pai excluído podem aumentar ainda mais o afastamento. “Começar a bater boca com o outro cônjuge em frente à criança e ter reações agressivas pode atrapalhar, pois confirmam as acusações feitas pelo outro”, adverte o pediatra Marcelo. Colocar outras pessoas nesses momentos iniciais de recriação do vínculo também pode atrapalhar, afinal esse momento precisa ser primeiro do pai com o filho. Um exemplo são homens que querem apresentar sua nova namorada para as crianças, mas a mãe pode estar falando mal de ambos para elas, dizendo que ela “roubou o papai de nós”.

4-Que consequências isso traz para a criança?

São diversos os malefícios que isso pode causar no pequeno. “Os pais normalmente são heróis para criança, e nessa situação eles perdem uma de suas referências e modelos”, assinala o pediatra Marcelo. A criança certamente ficará triste com a situação e decepcionada, até tem maiores chances de desenvolver quadros de doenças emocionais no futuro. “O que eu mais percebo durante a infância ainda é o desenvolvimento de quadros depressivos ou de ansiedade, ou até mesmo o agravamento de Transtorno de Deficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)”, exemplifica o especialista. Mesmo na idade adulta, elas têm maiores riscos de apresentarem esse tipo de problema.

5-Como pessoas próximas podem perceber o problema?

Principalmente, parentes e professores. “Os avós podem sentir a ausência e ajudar a buscar, ligar e reafirmar essa questão, afinal não é apenas um dos pais que é afastado nessas situações, mas toda a família”, ressalta a psicanalista Priscila. No caso de pessoas próximas, que não sabem o que acontece no cotidiano de casa da criança, é possível observar mudanças de comportamento. “Ansiedade, depressão, angústia e até mesmo agressividade, dependendo da idade, podem sinalizar esse problema”, reitera a profissional.

6-Como fica a relação familiar no futuro?

Diversos quadros são possíveis. Se o que o pai disse não foi muito grave, a reconciliação pode ser bem mais simples. Em alguns casos o cônjuge alienante pode fazer acusações falsas como a de abuso sexual à criança, o que causa um desgaste imenso na relação. Quando o caso vai ao tribunal, o filho normalmente é levado a um acompanhamento psicológico, justamente para entender o que era verdade e o que era mentira no que lhe foi contado.

E no caso do pai alienante? “O tratamento psicológico feito com a criança aponta a situação como uma deficiência desse pai, para tentar não piorar a situação. O contato com esse genitor é menor e muitas vezes feito com acompanhamento de assistente social”, ensina a psicanalista Priscila.

7-O pai alienante tem consciência do mal que está fazendo?

Normalmente não. É muito raro que um pai queira fazer mal ao próprio filho, ele normalmente só percebe que está prejudicando o antigo parceiro. “Em geral a pessoa está lidando mal com o término, ela fica com o emocional aflorado e o foco é si mesma. Quer resolver ela seus problemas, custe o que custar”, analisa a psicanalista Priscila Gasparini. Por isso, muitas vezes conversa e um acompanhamento psicológico podem fazer com que esse pai perceba o mal que fez e mude seu comportamento.

fonte: http://www.minhavida.com.br/familia/galerias/16263-sindrome-de-alienacao-parental-pode-levar-crianca-a-depressao/7

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s