Capitulo x: Eu e o Rogério na Praia


Estava eu andando na praia de bicicleta de noite, sob a luminosidade da lua cheia e andei por vários quilômetros até acabar o asfalto e então voltei.
Na volta havia um homem em um chalé de madeira caindo aos pedaços fumando e ao lado dele havia um grande cachorro branco. Enquanto estava passando em frente ao chalé o cachorro desembestou latindo e correndo atrás de mim e eu percebi que era um pitbull branco com um uma mancha marrom clara no olho direito. o animal parecia um fila correndo e percorreu os metros que me separava dele em poucos segundos. Tive que correr a mais de 40km por hora por uns 200 metros antes do cachorro desistir. Felizmente estava com minhas pernas boas senão ele teria roído meu calcanhar junto com meu chinelo.
Rogério irmão da Andresa me acompanhou na aventura com sua sunguinha roxa por baixo do shortinhos do corinthians e sem camiseta. Quando o cachorro viu aquele monte de carne em marcha lenta çambeu os beiços, por a lingua para fora e imaginou um monte de carne de churrasco pronta para degustar. Como o Rogério mesmo com mais torque na roda não consegue manter uma aceleração maior que 50 centimetros por segundo o animal logo o alcançou e puxou sua bermudinha mostrando a unica parte do seu corpo branca, sua bundinha.
O animal deu uma bela bocanhada, mastigou mastigou e guspiu, enquanto o Rogério gritava alto AiAiuiUi assim voce me mata!
Chegando em casa cantamos nós cantamos junto com os mamonas assassinas:

FUI CONVIDADO PRA UMA TAL AVENTURA,
NÃO PODIA IR ROGERIO FOI NO MEU LUGAR
DEPOIS DE UMA SEMANA ELE VOLTOU PRA CASA
TODO ARREGAÇADO NÃO PODIA NEM SENTAR.
QUANDO EU VI ISSO FIQUEI ASSUSTADO
ELE CHORANDO COMEÇOU A ME EXPLICAR
AI ENTÃO EU FIQUEI ALIVIADO E DEI GRAÇAS A DEUS QUE ELE FOI MORDIDO NO MEU LUGAR.
SOLTA A RODA E VIRA,
SOLTA A RODA E VEM
NESSE RAIO DE AVENTURA
UM PITBULL MORDEU MINHA BUNDA,
MAS ELE NÃO COMEU NINGUEM.
TANTANTANTAN
TANTANTANTAN
TANTANTANTAN
TANTANTANTAN
O ANDRESA OLHA SÓ COMIDO ESTOU
TU NÃO IMAGINAS COMO MINHAS ANDEGAS ESTÃO DUENDO
A NADEGA DIREITA O PITBULL ARRANCOU
E A OUTRA QUE SOBROU ESTA DOENDO.
O ROGÉRIO VOCÊ LARGA DE FRESCURA
QUE EU TE LEVO NO HOSPITAL PELA MANHA
TU FICASTE TÃO BUNITO SEM A BUNDA
MAS VALE UMA NADEGA QUE DUAS NA SUA SUNGUINHA ROXA
SOLTA A RODA E VIRA,
SOLTA A RODA E VEM
NESSE RAIO DE AVENTURA
UM PITBULL MORDEU MINHA BUNDA,
MAS ELE NÃO COMEU NINGUEM.
TANTANTANTAN
TANTANTANTAN
TANTANTANTAN
TANTANTANTAN

Para relaxar a dor fez uma salmora com agua da praia aquecida no tanque.
O dificil foi tirar ele de lá depois! Não saia de jeito nenhum e precisou de 4 pessoar puxando os pés e as mãos dele para conseguir tira-lo de lá.
A mãe dele colocou um pedaço de bife cru para ele ficar segurando nas nadegas doloridas.
Ninguem quiz comer carne no outro dia. Só o Rogério mesmo.Parecia o pitbull mastigando a nadega dele. Tivemos que enfaixar. Enrrolamos a faixa inteira com gases ao redor da bunda dele e ele parecia um bebe gigante usando fraudas.
Uma semana depois já estava melhor e ele conseguiu voltar a usar sua sunguinha roxa.
Andou na praia conosco de muletas e levou um travesseiro para sentar, em cima de sua toalha do corinthians. Depois de um tempo ele resolveu tomar sol. o sol esquentou e um cheiro de carne de sol tomou o ar. Resolvemos entrar no mar. Rogerio olhou para um lado, olhou para o outro, deitou de barriga para baixo e fez um bottomless. Mas ele tinha esqueceu seu bronzeador cenourebronze em casa. Parecia que tinha passado um bronzeador pimentão bronze. Parecia um macaco africano de bunda vermelha. Muitos turistas se espantaram e catolicos que passaram faziam o sinal da cruz.
Achamos melhor interrar ele. Mas ele levantou a sunga antes. Fizemos um belo monte de areia de duas corcovas, e um pouco mais de terra do lado imitando a cabeça do camelo.
Turistas bateram foto, alguns montado em cima do camelo e até pisavam nas costas do Rogério como um degrau para subir no camelo. Depois fincamos sua bandeira do corinthians em uma das corcovas. Não sei porque ele gritou ai. Mas depois relaxou. Parecia que estava gostando. Mas depois as corcovas começaram a tremer. Como um camelo que quer se levantar do deserto. A areia começou a se esparramar. Parecia que um casco de tartaruga começou a sair da areia, mas era o Rogério empinando a bunda. A bandeira do corinthians até caiu. Garotas que passavam em frente fecharam os olhos. Ele começou a bater na bunda para tirar o pó da areia parecendo um mazoquista. Depois foi correndo entrar no mar como um hipopótamo com sede. Espero que ele não tenha bebido água.
Mergulho na água e quando a onda voltou para o mar, parecia que um baleia havia encalahdo na praia. Ou uma tartaruga marinah tentando nadar na areia. Esticou os braçou para frente e começou a girar parecendo um tranco perfeitamente redondo. Eu estva comendo um espetinho de churrasco na farofa naquele momento mas não sei porque me deu ansia de vomito. Um cachorro cheirou a carne que eu cuspi no chão mas não quiz comer também. Virou de costas mijou e jogou areia com as patas traseiras na carne. Joguei areia no cachorro e ele saiu correndo. Bebi um pouco de água para refrescar enquanto o Rogério dava longas braçadas na água. As ondas batiam nele parecendo que batiam em um muro de coral. Mas ele não reclamava. Parecia que estava na frente do titanic com os braços abertos. Não sei porque imaginei uma estatua de um buda com os braços abertos. Mas com uma sunguinha roxa. Logo ele voltou para aa areia deixando pegadas fundas pelo caminho. uma onda subiu a areia e deixou algumas poças nas pegadas. AS vezes pisava em alguma concha na areia e ouvia-se estalos parecendo que estava pisando em cascas de ovo.
Depois se jogou em sua toalha do corinthians. Ele não sabia mas eu havia preparado uma armadilha para ele e tinha um buraco em baixo da toalha. Parecia um pão queimado sendo embrulhado por papel toalha. Eu joguei areia por cima dele enquanto ele chingava minha mãe e fazia esforço para tentar se virar. parecia uma tartaruga caida de ponta cabeça tentando se virar. Aidna consegui jogar bastante areia antes dele conseguir se virar e se levantar e sair correndo atras de mim como um rinoceronte chifrudo. Mas no embalo ele desequilibrou e caiu de barriga no chão, levantando poeira. Eu já estava bem longe quando ele olhou para mim. Resolvi entrar no mar. Rogério teve uma ideia. Pegou um prancha e e foi surfar atras de mim. Foi dificil achar uma prancha pro tamanho dele. Parecia que ia surfar no havai, mas a praia só tinha ondas pequenas. Eu boiava sucegado enaunto ele arrastava a onda enquanto dava pé. Depois pegou embalo e subiu na prancha como alguem que está aprendendo a montar a cavalo. A prancha virou umas duas vezes mas na terceira ele conseguiu se equilibrar. Deu braçadas laterais como um cachorro chuaua andando de skate.
Nessa hora comecei a me preocupar e tive que mergulahr para dispistar ele. Ele ficou procurando por cima da prancha, como se tivesse um tubarão abaixo dele.
10 segundose se passaram e eu apareci mas no raso indo em direção a praia. Ele começou a dar braçadas com uma mão e uma perna de uma lado só da prancha para tentar virar ela e uma onda bateu em cheio em suas costas. A prancha virou e pareceu que a prancha estava surfando em cima dele. Logo apareceu pulando e batendo os braços como se tivesse emgolido água. Acho que engoliu um pouco porque parecia meio engasgado e cuspiu um pouco de água. Veio correndo em direção a areia e sua barriga batia nas ondas fazendo berulho. Chegando na beira da praia bateu na cabeça várias vezes para tirar agua do ouvido e denovo parecia um masoquista piruta. Andou na areia mas já estava cansado então tombou na areia ofegante esparramando um pouco sua barriga. Depois de um minuto se levantou e voltou na água para buscar sua prancha reforçada que havia esquecido.
Fincou a prancha na area e fez uma observação panorâmica para ver se me avistava. Eu estava no quisque bebendo uma água de coco mas ele não me viu. Enquanto isso ele sentava na areia e parecia jorrar água por baixo de sua sunga, fazendo lama ao seu redor.
Ele passou as costas de sua mão gorda na testa para enxugar o suor sem sem deixar marcas de areia bufando como um touro. Algum tempo depois deitou na areia com os olhos fechados e durmiu de roncar. Quando acordou eu estava sentado do lado dele e ele esqueceu porque estava com raiva de mim mas parecia ainda meio zangado.
– Seu duente eu vou embora porque estou com fome. Nem se atreva a entrar na casa.
Preparei uma bola de areia molhada e joguei atras de sua cabeça enquanto ele ia embora.
Ele olhou para mim e disse
-Que se foda você. A melhor coisa que minha irmã fez na vida foi se separar de você.
Fiquei ainda olhando o mar por mais um 15 minutos antes de me levantar e ir embora.
Pulei o muro e sentei na garagem da casa de praia enquanto ele fazia fumaça na cozinha.
Meu pai tanbém estava na casa e veio conversar comigo.
-O Rogério falou que você ficou importunando ele na praia. Isso é verdade?
Fingi que não ouvi.
-Nunca mais vou trazer você na praia Gustavo, você não se comporta feito homem. Depois não sabe porque a Andresa te largou. Você não toma juizo. Você não resita ninguem, não reita seu pai, não respeita sua mãe e nem respeita o Rogério seu cunhado. Mesmo agora que ele já retirou a queixa na policia você ainda continua atormentando ele. Depois que ele mudar de idéia e voltar atras não reclame. A irmã dele já entrou com a lei Maria da Penha e sumiu do mapa com seu filho. Se ele entrar denovo com a Maria da Penha contra você eu não vou ir na cadeia te soltar. Tome juizo e tire essa roupa suja de areia. A toalha está no varal. E lave esse pé antes de entrar em casa!
Na hora da janta trate de pedir desculpas para seu genro Rogério!
-Eu não vou pedir desculpas porcaria nenhuma! Até agora ele não disse onde estpa meu filho e ainda estou com raiva dele ter mandado me prender!
-Como você quer que ele te ajude se você não colabora? Tente fazer amizade com ele, quem sabe ele volte atras e diga onde está seu filho.
-Aquele corno não vai dizer onde está meu filho! Se ele quizesse dizer ele já tinha dito!
E o pai dele o Benedito me ignora a anos.
Rogério aparece na porta de avental e diz:
Você é doente Gustavo. Não merece ver seu filho. Você tinha que estar preso ou em um hospicio. Se esquece do dia que você me agrediu sem motivo?
Não quero falar disso Rogério. Isso foi 5 anos e não me arrependo de nenhum soco.
Eu estou tentando ser seu amigo Gustavo. Sinceramente eu queria ser seu amigo, mas suas atitudes não são de uma pessoa normal. Voçe tem problema mental Gustavo. Voçe é um perigo para a sociedade. Toda a minha família sabe disso. E seu pai também sabe que voçê tem esquizofrenia. Mas você não aceita isso. A doença não tem cura e voçê vai ficar cada dia mais agressivo se não se tratar com muito remedio. Eu nem devia estar aqui. Só estou aqui por respeito ao seu pai. E sabe quando você vai ver seu filho desse jeito? NUNCA!
-Puta que pariu, agora você vai ver o que é bom pra tosse seu cú arrombado. Agora você vai ver como eu afundo minha mão nessa sua cara de bosta.
-Vou chamar a policia. Agora você não escapa Gustavo.
-Pra bater no Rogério primeiro você vai ter que passar por mim.
O Rogérioo está certo Gustavo. Você não mere3ce ver seu filho. olha como você trata as pessoas proximas de você. Enquanto isso Rogério liga para 190. Seu filho não merece um pai assim Gustavo.
-Se você não sair da minha frente eu vo dar um soco na sua barriga seu corno velho.
-Esperimenta bater em mim. Eu deixo eles te prenderem e voçe mofar na cadeia.
– Puta que pariu! Eu quero que todos vocês vão pro inferno! Não aguento mais ver tanta pessoa tosca e barriguda na minha frente! Vocês que se explodam e vão a merda!
-Dessa vez você não escapa a policia já está a caminho!
-Vai ver se eu não escapo Rogério! Mas depois eu volto pra quebrar a sua cara!
-Ta vendo Vandir! Ele me ameaçou de morte denovo! Falei que era uma pessima idéa ter ido na praia com esse assassino solto.
-Você não perde por esperar Rogério! Sua hora vai chegar.
-Esperimenta tocar em mim! A sua hora que vai chegar Gustavo. E já está a caminho!
Peguei a bicicleta e pulei o muro.
-Onde você vai com essa bicicleta!
-Seus merdas!
Pulo o muro em cima da bicicleta e saio correndo pelas vielas. Poucos minutos depois a policia chega e Rogério abre mais um B.O ao meu respeito.
A algumas quadras de distancia eu caminho com a bike rapidamente enquanto reclamo.
-Nem na praia eu tenho sucego! Que merda!
-Toda vez a mesma coisa! Não aguento mais essa vida! Da vontade de nadar em direção ao mar até me afogar! Mas é isso que eles querem. Vou mudar de pais. Eles que fiquem com meu filho bastardo. Na Argentina talvez eu seja mais feliz.
-Ele não vai ir muito longe Rogério. Ele está sem dinheiro e não tem para onde ir.
– Você viu ele me ameaçando de morte. Se você não segurar seu filho doente eu vou fazer de tudo para ver ele atras das grades!
– Perdoe ele Rogério.
-Sinto muito. Amanha mesmo eu volto pra minha casa. E se ele me ligar ou mandar mensagem denovo eu vou abrir denovo a Penha da Maria! Quer dizer a Maria da Penha.
-Que tristeza. Nunca pensei que fosse ter um filho assim. Chorava lágrimas de crocodilo seu Vandir enquanto Rogério se trancava em seu quarto particular.
Fiquei vagando pela cidade e me escondi atras do muro de um terreno baldio.

– Não aguento mais essa vida. O que será que eu fiz para merecer isso?
Parece que eu nasci pra sofrer! Quero mais é que todos vão para o inferno!
Que merda. Vou dormir aqui nessa grama e amanha eu penso no que fazer.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s